Arquivo da tag: #olhar

os ipês

 

lindos e efêmeros

mal chegaram, já estão se despedindo

talvez se estivessem sempre lá, poucos os notariam

.

peraí, e não é que eles já estavam ali antes

quase invisíveis, camuflados na paisagem

galhos secos ensaiando para seu espetáculo anual

.

e eis que suas flores chegam

ou melhor, estreiam

atraem para si todos os olhares

para, em seguida, sairem de cena

.

será a brevidade um dos segredos do seu fascínio?

.

fascinantes também são as suas cores

amarelos que contrastam com o anil do céu

rosas que interrompem o cinza da rotina

.

são convites

para ver além

para se viver o belo

e para praticar o desapego

 

 

Gostou? Deixe seu comentário.
Já curtiu a página do Facebook: aqui.

Anúncios
Etiquetado , ,

O olhar turista

Mais que câmera é preciso lentes internas.
Se afastar do espaço chamado rotina.

O novo pode vir de um ângulo que se acha conhecido.
O belo pode vir do enquadramento que foge do padrão.

Captar paisagens que não cabem em molduras.
Registrar encontros que não se resumem em imagens.

Como bateria, o desejo do  próximo clique.
Como bagagem, uma coleção de novas perspectivas.

Gostou? Deixe seu comentário.
Já curtiu a página do Facebook: aqui.

Imagem retirada daqui.

Etiquetado , , ,

Enquadre pra sair do quadrado

Escrevo pra lembrar a mim mesma de ver mais a vida enquadrada. Fotografe, Daniela. Mas não essas milhares de fotos que vemos no Facebook, esse clicar acelerado que mal se importa com o quê e o como.

Fotografar é dedicar um olhar mais demorado. Fotografar é pausar a realidade e congelar um instante. Fotograr é fazer escolhas. Fotografar é decidir por apenas um único ângulo entre milhares de possibilidades. Fotografar é abrir uma janela só sua. Fotografar é enxergar a realidade sob a lente do eu.

Algumas fotos minhas que passaram pelo Instangram e foram parar no Flickr. Quer ver mais? Acesse: http://www.flickr.com/photos/dani_brandao/

A câmera digital, ao mesmo tempo, democratizou e banalizou a fotografia. Eliminou o limite, a espera e a surpresa. Não falo isso com ares saudadosistas, mesmo adoro as inúmeras as vantagens que ela nos trouxe. Mas há quem  proponha um “retorno às origens” através da lomografia, usando essas maquininhas de plástico acima, que produzem diversos efeitos artísticos. E há quem encontre saída na união das duas: a praticidade da foto digital + filtros pós-click disponivéis em aplicativos para telefones como o Pixlromatic . Ainda mais interessantes são os que criam uma comunidade para compartilhamento das fotos, como o Instagram, que tem milhares de fãs de carteirinha, pena que seja restrito aos usuários de iPhone. Derivado dele há também algumas iniciativas que sugere missões para os usuários, como o Instamission.

Câmeras Lomo

Mais importante do que o recurso que será escolhido é manter o estado de alerta para perceber o belo das formas, composições e cores nas coisas mais banais. Se permitir sair fora da caixa. Nunca deixar o “turista”, aquele do olhar virgem, morrer dentro de você. E agora você tem uma missão para o findi, cara Dani.

Etiquetado , ,